Associação vai monitorar resíduos da construção no PR | Construção Mercado

Painel de Mercado

Resíduos da construção

Associação vai monitorar resíduos da construção no PR

Edição 153 - Março/2014
Foto: Marcelo Scandaroli
Volume de materiais reaproveitados na capital do PR pode quintuplicar com destinação adequada dos resíduos

Seis usinas recicladoras do Paraná se uniram e deram início, em fevereiro, à Associação das Empresas Paranaenses dos Resíduos Sólidos da Construção Civil (Aemparcc). O objetivo da associação é zelar pela destinação adequada dos resíduos gerados pelo setor da construção.

Formada pelas usinas Usipar, HMS, Soliforte, Caliça Ambiental, Tibagi e Unimater, a Aemparcc pretende atuar junto ao poder público pelo cumprimento da legislação, identificando aterros clandestinos e encaminhando denúncias.

Conforme aponta Adonai Aires de Arruda, diretor de relações institucionais da associação, se o poder público cumprir integralmente a resolução relativa à destinação correta dos resíduos sólidos da construção civil, o volume de materiais reaproveitados na Grande Curitiba tende a quintuplicar.

A Aemparcc pretende, ainda, acompanhar editais de licitação para obras e pleitear sua impugnação, caso não esteja incluída nas exigências contratuais a correta destinação dos resíduos sólidos gerados pela implantação do empreendimento.

De acordo com a entidade, 20 mil m³ de resíduos sólidos são gerados pela construção civil por ano na Região Metropolitana de Curitiba. Se forem incluídos os setores de terraplenagem e demolição, o volume anual chega a 80 mil m³. São despejados em aterros clandestinos 60% dos resíduos resultantes da atividade construtiva.

Ao todo, existem dez usinas de reciclagem no Paraná, em Curitiba e região metropolitana, Ponta Grossa, Londrina e Cascavel, que geram 400 empregos diretos cada.

Inventário de condomínios logísticos cresce 27%

A Colliers International Brasil, empresa especializada em consultoria de soluções imobiliárias, realizou pesquisa sobre o mercado nacional de condomínios logísticos de alto padrão. Com referência ao quarto trimestre de 2013, o setor encerrou o período com crescimento de 27% no inventário existente em relação ao ano anterior, com 8,06 milhões de metros quadrados. Se comparado ao ano de 2010, este aumento chegou a 119%.

A região Sudeste representa a maior fatia do inventário, com 6,454 milhões de metros quadrados, seguida por Nordeste (715 mil m²), Sul (624 mil m²), Norte (193 mil m²) e Centro- Oeste (80 mil m²).

A taxa de disponibilidade dos condomínios industriais também apresentou aumento em relação ao ano anterior, devido à grande quantidade de entregas durante o ano. O fechamento ficou em 17,67% ante 13,30%. Em relação ao terceiro trimestre de 2013, a variação positiva foi de 0,26%. Para o presidente da Colliers Brasil, Ricardo Betancourt, o equilíbrio do mercado deve ocorrer em 2015. De acordo com Betancourt, o ano de 2014 deve seguir sem aquecimento, sendo uma boa hora para comprar.

Encerrando o ano em 1,10 milhões de metros quadrados, a absorção líquida, que mede a quantidade de metros quadrados alugados menos os devolvidos, também apresentou crescimento de 27% em relação ao ano anterior, acompanhando o incremento do inventário na mesma proporção.

Os preços pedidos de locação demonstraram sinais de ajuste em função da maior oferta existente e passaram de R$ 20,00 m²/mês, no encerramento de 2012, para R$ 18,50 m²/ mês, no mesmo período em 2013, retornando aos patamares de 2010.

A região Norte tem o maior preço pedido (R$ 21,00 m²/mês), enquanto o Nordeste tem o menor (R$ 16,00 m²/mês).

Alagoas e Piauí receberão R$ 1 bilhão para mobilidade

Foto: Marco Antônio/Secom Maceió
Obra na Avenida Josefa de Mello, em Maceió, que receberá faixa exclusiva de ônibus

A presidenta Dilma Rousseff anunciou investimento de mais de R$ 1 bilhão em obras de mobilidade urbana em Piauí e Alagoas. Parte dos recursos provém do Orçamento Geral da União (OGU) e parte é financiamento público, com juros subsidiados.

No Piauí, R$ 611 milhões serão aplicados às obras da linha Sudeste do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), em Teresina, e em mais de 30 km de corredores de ônibus.

Em Alagoas, serão investidos R$ 400 milhões para transformar o trem urbano que liga Maceió a Rio Largo em VLT, em uma linha de 32,4 km. As verbas também serão utilizadas para construir BRTs e corredores de ônibus na capital alagoana.

Órgãos públicos discutem Norma de Desempenho em SP

Realizado em fevereiro na sede do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), seminário sobre a Norma de Desempenho reuniu diferentes órgãos públicos, que expuseram como pretendem facilitar a aplicação da norma em habitações sociais.

A Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) de São Paulo informou a criação de uma comissão para avaliar materiais, componentes e sistemas construtivos.

Para atender aos projetos do Minha Casa, Minha Vida, o Ministério das Cidades disponibilizará em seu site um catálogo eletrônico com orientações quanto ao cumprimento da norma.

A Caixa Econômica Federal (CEF) criou uma nova cláusula contratual e alterou a declaração do construtor, colocando a Norma de Desempenho em evidência. Além disso, a CEF criará um Código de Práticas, que substituirá o documento "Condições Mínimas do MCMV". Para Mauricio Antonio Ribeiro Lopes, promotor de Justiça de Habitação e Urbanismo da Capital, em São Paulo, o esclarecimento dos operadores do Direito sobre os aspectos técnicos da Norma de Desempenho é fundamental. Lopes propõe a criação de uma câmara de arbitragem multissetorial para solucionar contendas advindas da aplicação da norma.

ERRATA

A seção Orçamento Detalhado da edição de janeiro (nº 150) identificou erroneamente que a pesquisa de preços foi realizada em Recife, e não em João Pessoa.

CURTAS

Terex compra Demag
A Terex Latin America incorporou a empresa Demag Cranes & Components, que atua no setor de movimentação interna de materiais, com ampla linha de pontes rolantes, talhas, guindaste, acionamentos e componentes. Com a transação, todos os direitos e obrigações da Demag serão sucedidos pela Terex.

Normas atualizadas em 2015
Paulo Sanchez, vice-presidente de Tecnologia e Qualidade do SindusCon-SP, afirma que, até 2015, 100% das normas da construção civil terão sido atualizadas.

Movimento de terra
A Prefeitura de São Paulo publicou em março a Resolução Ceuso/118/2014, da Secretaria Municipal de Licenciamento, que tem por meta agilizar as autorizações para início de movimento de terra nas obras de construção civil, desde que estejam vinculadas aos Alvarás de Aprovação de Edificação Nova ou Reforma.

37 anos...
A reportagem de capa da revista A Construção São Paulo de setembro de 1977 abordou as obras relacionadas ao Sistema Integrado Global de Telecomunicações do Estado (abrangendo televisão, telecomunicações oficiais e processamento de dados). O projeto foi elaborado pela Promon Engenharia S.A. e compreendia a construção de 12 a 14 torres de quase 100 m de altura, autossuportadas, com armação de ferro.

Destaques da Loja Pini
Aplicativos