Estudo da logística do canteiro, implantação de ferramenta de gestão e industrialização de alguns processos permitiram à construtora melhorar os índices de produtividade de sua mão de obra | Construção Mercado

Construção

Produtividade real

Estudo da logística do canteiro, implantação de ferramenta de gestão e industrialização de alguns processos permitiram à construtora melhorar os índices de produtividade de sua mão de obra

Juliana Nakamura
Edição 154 - Maio/2014
 

Divulgação: LafeM
Ações empregadas no canteiro da Cosil vão do treinamento da mão de obra à implantação de sistemas de controle mais precisos

Em 2013, a Cosil iniciou a implantação de um sistema de gestão focado em ganho de produtividade. A ação atuou em três frentes principais. Uma delas foi a estruturação do Planejamento de Controle nas Obras (PCO), setor que acompanha de perto os detalhes da execução das obras e gera relatórios para os engenheiros, permitindo que eles se dediquem menos à parte burocrática e atuem mais estrategicamente desde a fase preliminar do projeto.

Outra medida adotada foi elevar os instrumentos de controle da mão de obra, com a implantação de um sistema automatizado alinhado ao orçamento e a prazos preestabelecidos. A nova ferramenta associa a cada serviço um prazo e define qual será a equipe responsável. Também calcula todos os valores de produtividade e valida o direcionamento da equipe, dentro do prazo estipulado no cronograma. Com isso, fornece à construtora um banco de dados no qual é possível gerenciar a qualificação necessária para a execução de cada projeto. "A ferramenta faz um filtro do processo apresentando os resultados dos funcionários e ajudando os engenheiros a formar equipes mais bem preparadas", conta o engenheiro Lúcio Barbosa, gerente de Contrato da Cosil.

Por estar vinculado ao orçamento, o novo sistema impede que os valores negociados na obra ultrapassem o orçado inicialmente. "Caso isso ocorra, a continuidade do trabalho acontece apenas com aprovação do superior. Assim, é possível controlar o custo total da obra e a eficiência da equipe", explica Barbosa.

Melhorias no canteiro
Paralelamente, a construtora procurou criar condições para que a produtividade da mão de obra crescesse de fato. Na busca por gargalos em seus processos, a Cosil identificou potenciais de melhoria na logística dos canteiros. "Investimos em um estudo mais detalhado de logística na obra contratando um consultor específico para avaliar todo o processo", afirma Barbosa. Também foram incrementadas as políticas de treinamento, bem como o sistema de valorização para os funcionários mais produtivos. O engenheiro conta que a construtora implantou, ainda, uma escolinha para que os funcionários pudessem aprimorar e aperfeiçoar periodicamente suas técnicas.

Ainda no pacote de ações para melhorar a produtividade, a construtora decidiu industrializar alguns processos da obra. "Reboco e contrapiso, por exemplo, eram preparados na obra e agora foram industrializados", lembra Barbosa, ressaltando que dessa forma os funcionários conseguem ser mais produtivos e evita-se o desperdício de materiais.

Ganhos mensurados
O conjunto de medidas visando a ganhos de produtividade na Cosil foi inaugurado nas obras do Neo Jardins, empreendimento de uso misto composto por duas torres residenciais e um edifício de escritórios na capital sergipana, Aracaju. Na obra, embora seja difícil identificar o impacto de cada ação separadamente, os resultados globais foram positivos. Segundo Lúcio Barbosa, houve a melhora dos índices de produtividade em quase todos os serviços, sem comprometimento da qualidade da execução ou do custo. Um dos destaques aconteceu na execução de contrapiso e reboco. "No reboco o nosso ganho em produtividade ficou em torno de 15% e no contrapiso chegou a 20%", comemora o engenheiro.

Juliana Nakamura

 

Ficha técnica
Nome do empreendimento: Neo Jardins
Local: Aracaju
Incorporação e construção: Cosil
Características: Empreendimento de uso misto composto por duas torres residenciais (Neo Residence) e um edifício de escritórios (Gentil Barbosa Neo Office). A torre comercial conta com 266 conjuntos, além de 11 lojas no térreo. As duas torres residenciais somam 208 apartamentos, com metragem variando entre 80 m² e 498 m², e 12 tipologias diferentes.
Área do terreno: 5.516 m²
Área total construída: 21.598,56 m² (Gentil Barbosa Neo Office Jardins) e 26.035,06 m² (Neo Residence Jardins)
Início das obras: agosto/2012
Previsão de conclusão das obras: 2º semestre de 2015
Arquitetura: MCAA Arquitetos Projeto estrutural: AMPD
Projetos Estruturais Engenheiros responsáveis: Paulo Dantas (Gentil Barbosa Neo Office) e Emerson Maia (Neo Residence Jardins)

 

Destaques da Loja Pini
Aplicativos