Habitação de interesse social compacta - Infraestrutura de empreendimento com unidades de 30 m² no centro de São Paulo foi item mais caro no orçamento | Construção Mercado

Construção

Orçamento real

Habitação de interesse social compacta - Infraestrutura de empreendimento com unidades de 30 m² no centro de São Paulo foi item mais caro no orçamento

Aline Mariane
Edição 155 - Junho/2014
 

Localizado no Centro da cidade de São Paulo, o terreno onde está sendo construído o condomínio Alameda demonstrou potencial para se tornar um empreendimento com unidades compactas de 30 m², principalmente, por estar próximo a estações de metrô. "O segredo do ultracompacto não está na sua construção, mas sim no seu projeto e localização. Além de procurarmos terrenos bem localizados, normalmente em regiões centrais e próximos a estações do metrô, gastamos bastante tempo na concepção do projeto", conta Marcos França, sócio-diretor da Requadra Desenvolvimento Imobiliário, incorporadora responsável pelo empreendimento, juntamente com a AK Realty.

A obra que começou em maio do ano passado e deve ser finalizada em abril de 2015 terá 20 pavimentos com 14 unidades de 30 m² cada. A planta do apartamento é composta por um dormitório, banheiro e cozinha integrada com sala de estar. "O apartamento compacto de um dormitório, naturalmente, já tem a sua área reduzida por conta da quantidade de dormitórios, mas a gente tem artifícios que reduzem as áreas sem prejudicar a concepção arquitetônica. Por exemplo, temos apresentado muitos projetos com a cozinha integrada no apartamento, eliminando paredes", explica França. Além desta estratégia, a incorporadora também destaca o projeto de banheiro que separa a cuba do vaso sanitário e pode servir tanto de banheiro para o morador quanto de lavabo quando o cliente recebe uma visita. "Isto evita a necessidade de um segundo banheiro como lavabo. São alguns dos artifícios que usamos para reduzir, deixar o apartamento compacto sem perder a comodidade", complementa.

Para suprir a necessidade dos moradores por áreas que não são incluídas dentro do apartamento, a alternativa da incorporadora foi construir nos ambientes comuns lavanderia coletiva, vestiário para empregados domésticos, espaço gourmet, piscina e salão de festas com churrasqueira. "Temos investido em lavanderia coletiva até porque em apartamentos de um dormitório as pessoas não têm, normalmente, domésticas todos os dias. Logo, facilitamos instalando lavanderias coletivas no térreo do empreendimento", acredita França.

A construtora optou por utilizar alvenaria estrutural no empreendimento: "Como os apartamentos são compactos, normalmente a única implicação no projeto estrutural é que a construtora não consegue fazer modificações internas, quebrar parede etc. Mas como o apartamento é compacto, não tem muito que modificar", explica o sócio-diretor da Requadra.

Para chegar ao tamanho de 30 m², a Requadra estudou seus projetos e chegou a este limite mínimo de metragem. "Temos um patamar que entendemos como mínimo no sentido de oferecer um conforto que o cliente que leva o produto de nossa marca merece. Por isto, não fazemos apartamentos com menos de 30 m²", ressalta Marcos França.

Nos custos construtivos, o que mais onerou o orçamento foi a infraestrutura, que custou R$ 3.865.745,65, representando aproximadamente 22% do total da obra.

Aline Mariane
Apoio de engenharia: Maria Fernanda Matos
PINI Consultoria

 

Destaques da Loja Pini
Aplicativos