Residenciais assinados por arquitetos renomados ganham destaque no mercado. Viabilização envolve controle orçamentário e diálogo durante desenvolvimento do projeto | Construção Mercado

Negócios

Arquitetura

Residenciais assinados por arquitetos renomados ganham destaque no mercado. Viabilização envolve controle orçamentário e diálogo durante desenvolvimento do projeto

Por Aline Horvath
Edição 159 - Setembro/2014
Divulgação: Cyrela
A Cyrela lançou recentemente o Cyrela by Pininfarina, residencial de luxo assinado pelo escritório de design italiano Pininfarina - conhecido pelo trabalho com carros como Ferrari. A incorporadora também fechou parceria exclusiva com o escritório global de design YOO

Enquanto algumas incorporadoras priorizam a redução de custos e contratam projetos arquitetônicos padronizados, com pouca ousadia, outras empresas têm apostado em residenciais com autoria de arquitetos renomados no Brasil ou no exterior. É o caso de Cyrela, JHSF, Huma Desenvolvimento Imobiliário, Vitacon, Idea!Zarvos, entre outras, que veem grande potencial neste nicho. O sucesso do negócio, porém, está atrelado a intenso planejamento e cuidado antes e durante a execução do empreendimento.

Produzir um edifício com 'grife' não implica necessariamente que ele deva custar mais caro que os concorrentes da região onde será construído. O fundamental é que tenha assinatura de um escritório ou arquiteto com nome reconhecido e respeitado. "Esses arquitetos são aqueles que inovaram e fizeram projetos impactantes e de bom gosto, bem pensados para os seus ocupantes e para o entorno", define o diretor geral da GR Properties, Guilherme Rossi.

Empreendimentos residenciais com projeto arquitetônico diferenciado existem no Brasil há décadas. Entretanto, com o aumento da escala de produção, intensificado nos anos de boom imobiliário, a qualidade dos projetos nem sempre esteve em primeiro plano. Com o relativo amadurecimento do setor e a atenção de algumas incorporadoras a esse aspecto, a inovação arquitetônica ressurge de forma mais intensa no segmento.

A melhor forma de viabilizar empreendimentos com esse perfil, sem que os preços subam demais, é ter o orçamento completo antes do lançamento, investir na racionalização da obra e selecionar acabamentos com bom custo-benefício. É aí que entra o bom planejamento. "Não dá para descobrir, só durante a obra, quanto vai custar aquele 'algo a mais' no projeto. O risco de estourar o orçamento inicial é alto. Vale lembrar que qualquer coisa fora de padrão tende a custar mais", alerta o diretor da Huma, Rafael Rossi.

Nesse mercado, não adianta se destacar apenas com a utilização de acabamentos e revestimentos diferenciados. É preciso apresentar soluções na arquitetura. "Muitas vezes, isso implica em aproveitar menos o terreno e construir menos, o que torna o preço de venda mais alto", conta Guilherme Rossi, da GR Properties.

Divulgação: Huma Desenvolvimento Imobiliário



'Não dá para descobrir, só durante a obra, quanto vai custar aquele 'algo a mais' no projeto. O risco de estourar o orçamento inicial é alto'

Rafael Rossi
diretor da Huma Desenvolvimento Imobiliário


Mas, se não for possível reduzir muito os custos, o valor superior de empreendimentos de luxo, com assinatura de arquitetos renomados, será compensado com a valorização do imóvel, que tem seu preço elevado justamente devido à qualidade e notoriedade agregadas. "O mercado imobiliário brasileiro está tão padronizado e saturado que pede algo novo. Valorizamos a exclusividade e o encanto com a arquitetura", analisa Ricardo Guedes, diretor-presidente da JHSF Incorporações.

Nesse sentido, a análise de mercado é fundamental. É preciso saber se a região de implantação do empreendimento tem demanda para esse tipo do produto. Rafael Rossi, da Huma, diz que "é preciso analisar o preço por metro quadrado de venda na região, que não pode ser baixo".

Divulgação Huma Desenvolvimento Imobiliário
Forma Itaim, incorporado pela Huma em parceria com GR Properties e ERC Desenvolvimento Imobiliário, tem arquitetura assinada pelo renomado arquiteto espanhol Fermín Vazquez; o projeto de interiores foi idealizado pelo escritório Triptyque e o paisagismo é de Alex Hanazaki

Projeto eficiente
O sucesso do negócio vai depender da contratação do projeto de arquitetura ideal. Segundo o CEO da Vitacon, Alexandre Lafer Frankel, esse processo envolve aceitar novas ideias, materiais e entender a ousadia do arquiteto. "A flexibilidade é menor com um profissional 'estrela'. Ele tem nome, quer inserir os seus conceitos, mas conseguimos negociar. Onde era para ser um enorme vão, inserimos um pilar intermediário, por exemplo. Nos materiais de acabamento isso também é possível, a partir do diálogo", explica. A Vitacon tem trabalhado com os arquitetos Arthur Casas, Guilherme Torres, Márcio Kogan, entre outros.

Na visão de Rafael Rossi, da Huma, o incorporador é quem deve estabelecer as metas de aproveitamento e eficiência do projeto, definir a tipologia, o tamanho do produto etc. "Ele precisa ter a capacidade de ler o mercado e fazer o produto que vende. Ao arquiteto, cabe criar a fachada, definir os acabamentos etc. Trata-se de um trabalho feito a quatro mãos."

Divulgação: JHSF



'O mercado imobiliário brasileiro está tão padronizado e saturado que pede algo novo. Valorizamos a exclusividade e o encanto com a arquitetura'

Ricardo Guedes
diretor-presidente da JHSF Incorporações


Um dos cases de sucesso da Huma, desenvolvido em parceria com GR Properties e ERC Desenvolvimento Imobiliário, é o Forma Itaim, torre de 25 andares que ficará localizada na avenida Faria Lima, em São Paulo. Com arquitetura assinada pelo renomado arquiteto espanhol Fermín Vazquez, o projeto também conta com interiores idealizados pelo escritório Triptyque e paisagismo de Alex Hanazaki.


PÁGINAS :: 1 | 2 | Próxima >>
Destaques da Loja Pini
Aplicativos