Sprinklers anti-incêndio: tubulação pode ser de aço carbono, tubos de cobre ou CPVC | Construção Mercado

Construção

Técnica Ilustrada

Sprinklers anti-incêndio: tubulação pode ser de aço carbono, tubos de cobre ou CPVC

Por Juliana Nakamura
Edição 161 - Dezembro/2014

Os chuveiros automáticos, ou sprinklers, têm como função central realizar o primeiro combate ao incêndio para extingui-lo ou controlá-lo até a chegada do Corpo de Bombeiros. O sistema também tem o papel secundário de alertar os ocupantes da edificação ou da área de risco sobre um possível incêndio.

Os sprinklers podem ser do tipo pendente (quando o jato de água é dirigido para baixo), em pé (quando o jato é dirigido para cima) ou lateral (quando o jato é lançado para frente e para os lados). A escolha do modelo deve acontecer levando-se em conta o desempenho, as condições de manutenção, os riscos e as recomendações de segurança para o ambiente.

Os requisitos mínimos para projeto e instalação de sistemas de sprinklers são definidos pela ABNT NBR 10.897 - Sistemas de Proteção Contra Incêndio por Chuveiros Automáticos - Requisitos, cuja versão atualizada está em vigor desde agosto de 2014.

ILUSTRAÇÃO: DANIEL BENEVENTI

ILUSTRAÇÃO: DANIEL BENEVENTI

1 Chuveiros automáticos
Os sprinklers podem ser classificados como de cobertura padrão e de cobertura estendida, de acordo com a área de cobertura que abrangem. Os chuveiros de cobertura estendida costumam ser empregados em hotéis, restaurantes, edifícios de escritórios e outras áreas onde é desejável reduzir a quantidade de sprinklers instalados.

Os chuveiros podem se distinguir, ainda, em função de sua velocidade de operação. Há os sprinklers de resposta rápida e os sprinklers de resposta padrão. Há também os equipamentos para aplicações específicas, como armazéns refrigerados e salas frias, chamados sprinklers secos. Em todos esses casos, os chuveiros costumam ser compostos de:
Corpo: parte que contém rosca para fixação na tubulação, braços e orifícios de descarga. Serve como suporte dos demais componentes.

Defletor/Difusor: destinado a quebrar o jato sólido para distribuir a água.
Obturador: destinado à vedação do orifício de descarga nos chuveiros automáticos. Também atua como base para o elemento termossensível.
Elemento termossensível: libera o obturador por efeito da elevação da temperatura de operação, fazendo a água fluir contra o foco do incêndio. Os elementos termossensíveis podem ser do tipo ampola de vidro ou fusíveis de liga metálica.

2 Tubulação
Os tubos que compõem os sistemas de chuveiros automáticos variam de acordo com o tipo de ambiente e a classe de risco de incêndio. Os mais usuais são as tubulações de aço carbono (com ou sem costura) e os tubos de cobre. Também são bastante utilizados os tubos de CPVC (policloreto de vinila clorado) com conexões soldadas, fabricadas em consonância com as NBR 15.647 e 15.648. De rápida execução, esses sistemas são indicados para ocupações de risco leve e sujeitas a pressões de até 1,2 MPa.

3 Sistema de sustentação
O ideal é que a instalação do sistema de chuveiros automáticos ocorra antes das instalações elétricas, do forro e dos acabamentos. Os tubos são sustentados por diferentes tipos de suporte, de acordo com o peso do sistema. Os suportes devem aguentar cinco vezes a massa do tubo cheio d´água mais 100 kg em cada ponto de fixação.

4 Forro
A montagem dos forros deve acontecer apenas depois de concluídos os testes e a limpeza do sistema, lembrando que as placas devem ser furadas para a instalação dos bicos dos sprinklers. Por questões estéticas, os pontos normalmente seguem um padrão já previsto no projeto.

Fontes: ABNT NBR 10.897:2014 - Versão Corrigida:2014 e Associação Brasileira de Sprinklers (ABSpk)

Destaques da Loja Pini
Aplicativos