Gerenciamento eficiente do trabalho das empreiteiras no canteiro depende de planejamento de obra e de contratação assertiva por parte das construtoras | Construção Mercado

Construção

Gestão de empreiteiros

Gerenciamento eficiente do trabalho das empreiteiras no canteiro depende de planejamento de obra e de contratação assertiva por parte das construtoras

Por Eduardo Campos Lima
Edição 162 - Janeiro/2015

ILUSTRAÇÃO: DANIEL BENEVENTI, A PARTIR DE IMAGEM D

Com a forte desaceleração do mercado imobiliário em 2014, relacionada a um quadro de endividamento de incorporadoras e estouro dos custos de obra, a tendência é que as margens das empresas fiquem mais apertadas, com pouco espaço para falhas no orçamento. A administração cuidadosa do trabalho das empreiteiras, nesse contexto, ganha ainda mais importância.

A relação entre construtoras e empreiteiras é tradicionalmente marcada por conflitos, embora, de acordo com especialistas, tenha apresentado algumas melhoras, nos últimos anos. Do lado das construtoras, a ânsia por uma estrutura de custos mais enxuta leva à contratação de empreiteiras por preços muito baixos, o que pode asfixiar empresas pequenas e sem caixa para suportar longos períodos de finanças em baixa. Além disso, muitas contratantes esperam que as empreiteiras resolvam problemas que deveriam ter sido previstos em projeto. Do lado das empreiteiras, os problemas costumam advir de sua fragilidade financeira e estrutura administrativa insuficiente.

Da soma dos problemas apresentados por cada uma das partes, surge uma síntese muito desfavorável para a produtividade das empresas: choques entre as diversas frentes de trabalho no canteiro, má qualidade construtiva, baixa qualificação da mão de obra e alto volume de ações trabalhistas e conflitos judiciais entre contratantes e empreiteiras.

Considerando tudo isso, a PINI fez um levantamento junto a 45 diretores, gerentes ou coordenadores-técnicos, nos meses de outubro e novembro de 2014, para tentar compreender como as construtoras avaliam sua relação com as empreiteiras. Os gestores foram questionados sobre interferências geradas por empreiteiras nas diferentes frentes de trabalho no canteiro, sobre o impacto, em suas empresas, dos processos trabalhistas movidos por funcionários das empreiteiras e sobre divergências entre construtora e empreiteira relacionadas a medições e retenções. As respostas embasaram as reportagens a seguir, em que consultores e construtores analisam os problemas mais comuns na contratação, na gestão e no pagamento das empreiteiras.

É consenso entre as fontes consultadas pela reportagem que é responsabilidade da contratante o gerenciamento eficiente das empreiteiras. As boas práticas incluem planejamento prévio do canteiro de obra, com definição do cronograma das frentes de trabalho, estabelecimento de um modelo racionalizado de contratação das empresas e assertividade na gestão dos funcionários das empreiteiras. Conheça, a seguir, os caminhos que as construtoras têm trilhado para aprimorar a gestão dos empreiteiros.

 

Reveja a entrevista com André Choma, engenheiro da Vale, publicada na edição de novembro de 2014 da revista Construção Mercado.

Destaques da Loja Pini
Aplicativos