Contrapiso comum x contrapiso autonivelante - Para se adequar à Norma de Desempenho, construtora testa a troca do sistema de contrapiso e obtém ganhos significativos de produtividade | Construção Mercado

Gestão

Custo comparado

Contrapiso comum x contrapiso autonivelante - Para se adequar à Norma de Desempenho, construtora testa a troca do sistema de contrapiso e obtém ganhos significativos de produtividade

Maryana Giribola
Edição 164 - Março/2015

Mais do que ganhar em produtividade, qualidade final e redução de custo, a Dinâmica Engenharia tem avaliado sistemas de execução que garantam o atendimento à NBR 15.575. Na obra do Residencial Only Marista, o contrapiso tradicional foi substituído pelo autonivelante. Apesar do acréscimo de 10,31% nos custos, a execução de uma laje de 450 m² com a argamassa bombeada tem levado em média meio dia para ser feita. No sistema convencional, o mesmo serviço demoraria sete dias.

A substituição, no entanto, não foi feita desde o início do projeto. Para ganhar em produtividade, a construtora primeiro testou a execução do contrapiso convencional antes da alvenaria. Com vãos mais livres, esperava-se que essa etapa poderia ser feita em menos tempo. 'Depois de testar em dois pavimentos, notamos que não estávamos encurtando o prazo. O problema estava no abastecimento. Foi então que começamos a estudar a troca pelo sistema autoadensável', conta Marco Antônio Soares de Carvalho, engenheiro da Dinâmica Engenharia.

Conteúdo exclusivo para leitores
cadastrados ou assinantes da revista Construção Mercado

Ainda não é um assinante PINI?
Escolha uma das opções abaixo e faça já sua assinatura.

Destaques da Loja Pini
Aplicativos