Para afastar dificuldades financeiras, incorporadoras fazem esforço extra para gerar caixa | Construção Mercado

Negócios

Crise

Para afastar dificuldades financeiras, incorporadoras fazem esforço extra para gerar caixa

Por Eduardo Campos Lima
Edição 166 - Abril/2015

ILUSTRAÇÃO: DANIEL BENEENTI

A pressão sobre o caixa das incorporadoras tende a se acentuar nos próximos meses, como reflexo dos ajustes na economia brasileira e no mercado imobiliário, consolidando um cenário que desafia as empresas a rever seus planos e a adotar medidas para garantir liquidez. De acordo com especialistas ouvidos pela reportagem, a receita para reforçar a capitalização passa pela venda de ativos não estratégicos, atração de investidores, esforço na aceleração das vendas dos estoques e cuidado no lançamento de novos projetos, como veremos nos exemplos das próximas páginas. As dicas valem para todas as companhias do setor, mas são especialmente importantes para aquelas incorporadoras que se endividaram muito após apostar em um crescimento agressivo nos últimos anos - o que não se sustentou - ou que estão com dificuldades de vendas em praças onde há excesso de oferta.

A PDG Realty se encaixa nessas duas situações. A companhia passa há dois anos por um processo de reestruturação dos negócios, com o objetivo de finalizar projetos antigos pouco lucrativos e baixar o endividamento alto. Em paralelo, seu foco de atuação é a Região Sudeste, principalmente São Paulo e Rio de Janeiro, onde os estoques do mercado cresceram bastante nos últimos trimestres. Com a piora do quadro macroeconômico - que afetou todo o setor - a PDG se viu numa situação ainda mais delicada. A solução encontrada para se proteger das intempéries foi acelerar ao máximo a geração de caixa por meio da liquidação de ativos. A companhia anunciou recentemente a venda de participações em 17 empreendimentos para gestoras de private equity, numa operação de R$ 260 milhões. O negócio envolveu fatias minoritárias em Sociedades de Propósito Específico (SPEs) espalhadas por diferentes Estados e com obras já avançadas, um requisito exigido pelos investidores para minimizarem os riscos da entrada no negócio.

Conteúdo exclusivo para assinantes da revista Construção Mercado

Outras opções

Destaques da Loja Pini
Aplicativos