Atrasos na faixa 1 do Minha Casa Minha Vida elevam prejuízos de construtoras | Construção Mercado

Gestão

Minha Casa Minha Vida

Atrasos na faixa 1 do Minha Casa Minha Vida elevam prejuízos de construtoras

Demissões, obras paradas ou em ritmo lento são problemas comuns nos canteiros

Por Evelyn Oliveira
Edição 168 - Julho/2015
 

WASHINGTON ALVES
Com falta de recursos, obra de residencial com 76 unidades em MG segue em ritmo lento e deve atrasar até quatro meses, segundo construtora QBHZ

O prolongamento dos atrasos de pagamento na faixa 1 do programa Minha Casa Minha Vida (MCMV) causa problemas bem mais do que financeiros para as construtoras brasileiras. Segundo relatam associações do setor e empresários, a demora pode chegar a 90 dias, não há garantias de recebimento e os efeitos da mudança no fluxo de repasses incluem a diminuição no ritmo de obras, paralisações em canteiros, demissões em massa, restrições de crédito às companhias, abandonos de obras e até casos de recuperação judicial.

Os atrasos são um entrave para as construtoras desde o fim de 2013, segundo o vice-presidente de Habitação Popular do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon- SP), Ronaldo Cury, e, mesmo após o governo ter ampliado o intervalo para os repasses, ele diz que os atrasos se intensificaram. As medições no Estado só estão quitadas até o dia 14 de abril, de acordo com o executivo, que concedeu entrevista no início de junho. Em outras localidades, como Minas Gerais e Paraná, empresários relatam que parte dos pagamentos foi feita no início de março, e a demora voltou a ocorrer em abril.

Conteúdo exclusivo para leitores
cadastrados ou assinantes da revista Construção Mercado

Ainda não é um assinante PINI?
Escolha uma das opções abaixo e faça já sua assinatura.

Destaques da Loja Pini
Aplicativos