Atrasos nos pagamentos às construtoras do Minha Casa, Minha Vida persistem | Construção Mercado

Negócios

Notícias

Atrasos nos pagamentos às construtoras do Minha Casa, Minha Vida persistem

Segundo o vice-presidente do Sinduscon-SP, todas as empresas que operam na faixa 1 do programa federal estão passando por esse problema

Evelyn Oliveira
13/Janeiro/2015
Divulgação: Prefeitura de Araçatuba

Os pagamentos a construtoras que executam obras do Programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV) - especialmente da faixa 1 - que deveriam ter sido pagos em dezembro de 2014, ainda estão atrasados. As informações são da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) e dos Sindicatos da Indústria da Construção (Sinduscons) de São Paulo, Ceará e Minas Gerais.

De acordo com Ronaldo Cury, vice-presidente do SindusCon-SP, os bancos que fazem o pagamento pelo Ministério das Cidades realizaram os repasses para as construtoras nos dias 26, 27, 29 e 30 de dezembro e em 2 de janeiro, mas ainda falta pagar 50% dos valores referentes a dezembro. Os meses de outubro e novembro foram quitados pelo programa, que mesmo de forma tardia, possibilitou pagar o 13º salário dos trabalhadores ainda em 2014. Além disso, Cury também afirma que os atrasos são nacionais, têm sido recorrentes, e começaram em setembro de 2013.

Ronaldo Cury ressalta que “todas as empresas que operam no Minha Casa Minha Vida - faixa 1 estão passando por esse problema”. José Carlos Martins, presidente da CBIC, explica que todas elas acabam sendo afetadas, independente da região onde estejam, devido a cronologia de entrada das faturas, o que é nacional. “As faturas são pagas por ordem cronológica de entrada, e conforme entram os recursos, são pagas as faturas mais atrasadas”, esclarece.

Em decorrência dos atrasos, houve demissões de funcionários de construtoras no mês de dezembro no Ceará, por exemplo. Neste mesmo estado, de acordo com o Sinduscon-CE, apenas 30% dos repasses, que estão atrasados há mais de dois meses, foram pagos pelo governo. Segundo André Montenegro, presidente do sindicato, cerca de duas mil pessoas já foram demitidas no ano passado.

A CBIC já entrou em contato com os novos ministros das Cidades (Gilberto Kassab), da Fazenda (Joaquim Levy) e do Planejamento (Nelson Barbosa) para solicitar uma reunião em caráter de urgência a fim de obter uma previsão de como será o calendário de pagamentos de 2015. A expectativa do setor é a de que o governo agilize a liberação dos pagamentos e determine um novo prazo para os repasses. No entanto, as empresas temem que a mudança no ministério dificulte os pagamentos atrasados. 

Em nota, o Ministério das Cidades afirmou que “o cronograma de pagamentos do programa Minha Casa, Minha Vida segue com o fluxo normal”.

 

Destaques da Loja Pini
Aplicativos